quarta-feira, 7 de julho de 2010

Palavras-Letras-Melodias


O ato: escrever é ter um olhar diferenciado do mundo que passa a ser lido por quem escuta aos olhos e lê com a alma, nesta troca metafórica existe a satisfação de ambos. A realidade sempre retratada em extremos de alegria ou dor por vezes o bom senso se vai, voa alto como a águia, mas a finalidade é única entreter e ser reconhecido. Informar e ensinar faz parte desta arte que perfaz o mundo pensar, calcular, decifrar e pesquisar. Nasceu o que ensina e também aprende o que ouve e se faz ouvir, aquele que junta idéias e as transforma em texto, são tantos anônimos que criam e poucos os que se destacam e se tal fato abala a criação? – claro que não, o prazer de imaginar, criar, encantar é individual, contudo compartilhado gratuitamente e assim cada contador de histórias senta a frente do papel e escreve, desenha, viaja, flutua, reflete e divide com o próximo que mesmo questionando e afrontando agradece e o que mais se pode querer senão a troca...
Cada vírgula e ponto podem pausar e finalizar uma história no momento, entretanto esta impressa e se eternizará se o autor será lembrado esta talvez seja a pergunta que só o tempo responderá. Cada palavra solta ao vento é como uma nota musical que compõe uma melodia, cada palavra no papel é o seu registro, o maestro espera ansioso e assim vamos criando soltando dó, ré, mi, fá, sol, lá, si aleatoriamente e milagrosamente harmonioso.

12 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Oiê querida!
Vim dar-lhe um enorme beijo*

*Creio que ele se aproveitou de uma migração de pássaros selvagens para fugir. Na manhã da viagem, pôs o planeta em ordem. E quando regou pela última vez a flor, e se preparava para colocá-la sob a redoma, percebeu que tinha vontade de chorar.

- Adeus - disse ele à flor. Mas a flor não respondeu.
- Adeus - repetiu ele.
A flor tossiu. Mas não era por causa do resfriado.
- Eu fui uma tola - disse finalmente. - Peço-te perdão. Procura ser feliz.

A ausência de censuras o surpreendeu. Ficou parado, completamente sem jeito, com a redoma nas mãos. Não podia compreender essa delicadeza.

- É claro que eu te amo - disse-lhe a flor. - Foi minha culpa não perceberes isto. Mas não tem importância. Foste tão tolo quanto eu. Tenta ser feliz... Larga esta redoma, não preciso mais dela.
- Mas o vento...
- Não estou tão resfriada assim... O ar fresco da noite me fará bem. Eu sou uma flor
- Mas os bichos...
- É preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas. Dizem que são tão belas! Do contrário, quem virá visitar-me? Tu estarás longe... Quanto aos bichos grandes, não tenho medo deles. Eu tenho minhas garras.

E ela mostrava ingenuamente seus quatro espinhos. Em seguida acrescentou:
- Não demores assim, que é exasperante. Tu decidiste partir. Então vai!
Pois ela não queria que ele a visse chorar. Era uma flor muito orgulhosa...

trecho de "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry.

Já estou contigo, só o perfil que é esquisito, mas é Google mesmo, sem reader*
Beijos de Renata pra Renata
Ofereço-lhe o selo da Galeria em Html. Se não conseguir, copie como Jpg

Wanderley Elian Lima disse...

Quem escreve, quer ser lido, essa é a intenção, passar idéias, divertir, instruir, passar o tempo, enfim há uma troca ente as palavras de quem escreve e os olhos de quem as lê.
Beijos

legalmente loira... disse...

querida amiga,
adorei ler isto.
concordo...
quem escreve quer ser lido e quem le quer sentir a emoção.
lindo dia com carinho e bjos.

Filomena disse...

Escrever é um acto solitário, um momento único. Depois mostramos nossos escritos aos outros e eles farão a mesma leitura que nós ou uma outra que interpretam.


Escrever é um prazer para quem escreve, é tantas vezes uma catarse que nos liberta



Beijinhos, Renata

Regina Rozenbaum disse...

Renatinha, amada!
BACANÉRRIMO... Senti um montão de coisas rsrs: uma resposta educada; um desabafo; a escrita da alma; o desejo que te move, no registro - singular - da sua história/VIDA!
Beijuuss n.c.

www.toforatodentro.blogspot.com

Ricardo Calmon disse...

"A dicotomia de um escriba" post esse poderia título ter,escrever a alma lava,sustenta ansiedades de ser e viver,desenvolve mente e pensamentos nuestros,assim como nos leva a viagens infinitas de anseios nossos!

bzuz amiga caríssima

viva la vida

manuela baptista disse...

olá!

contadora de notas musicais
de reflexões
e de harmonias

e sobretudo de trocas

de histórias e de afectos!

beijinhos

Manu

Vinicius Pires disse...

Ficou MARA!! Ameiii

Ameiii tb o novo layout! bem chic como a autora!

Beijosss

. intemporal . disse...

.

. o acto . sendo o facto . na ausência do des.acato .

. entre dós . dós de peito . nós . de garganta em expansão .

.

. bel.íssimo .

.

. um beijo meu .

.

. paulo .

.

REGGINA MOON disse...

Renata,

Que linda postagem!!!E seu Blog de novo visual está uma perfeição!!

A escrita usada na forma de poesia me parece a melhor utilidade, pois fala ao coração!

Parabéns...belíssima postagem!!

Um grande beijo e ótima semana!

Reggina Moon

Imagem e Poesia disse...

Olá! Gostei muito deste escrito e concordo com ele.
Agradável é este teu cantinho.
Beijinhos
Ceiça

Ricardo Calmon disse...

Como membro vítima da associação no gmail,meus protestos apresento aqui,por sua dissidencia e afastamento daquele muro de lamentações em domesticas reformas,projecto ainda em andamento está helpppppppppppppp!

abraços no casal

viva la vida

afffffffffffffffffffffff!