quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Nada.


O nada ser, em nada existir, nada só nada.

Objeto inanimado,

Uma pedra

Um saco de papel sujo

Um toco

Roupa velha

Relógio quebrado

Flor seca

Nada

Vazio, vácuo

Uma ameba

Copo lascado

Ponte caída

Fim do caminho...




4 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Renata
Adorei o jogo de palavras.
Beijos

Chris disse...

Quando tudo parece vácuo e vazio, encontramos no lastro desse espaço o sentido da vida...
Um beijo
Chris

manuela baptista disse...

e com todos esses nadas
feitos de coisa nenhuma

a inutilidade é apenas aparente

como uma pedra
ou um copo lascado!

porque o fim de cada caminho
é sempre o começo de um outro.

um beijo minha querida Alegria

Manuela

Vinicius Pires disse...

Engraçado como as vezes a gente se sente um nada, num é?
A sorte que tem pessoas do nosso lado que nos dizem o contrário.. hehehe
Que sorte, hein??

beijosss